voltar ao blogue

Para que servem os antibióticos?

Portugal chegou a ser dos países da Europa que mais consumia antibióticos. Uma situação que levou algum tempo a inverter, mas dados recentes da Direção-Geral da Saúde revelam uma redução acentuada a partir de 2020, devido à pandemia. No entanto, os especialistas defendem que ainda há muito a fazer, para que não se deem passos atrás. Sem dúvida que uma das formas é melhorando o conhecimento sobre a utilização destes medicamentos. Neste artigo, aprofundamos este assunto.

Afinal, para que servem os antibióticos?

O primeiro antibiótico a surgir foi a penicilina, tendo sido descoberta por Alexander Fleming em 1928. Desde então, têm sido descobertos muitos antibióticos, que procuram destruir mais bactérias e minimizar os efeitos secundários.

 

Os antibióticos são medicamentos que tratam infeções causadas por bactérias, não atuando em infeções causadas por vírus, como é o caso das constipações ou da gripe.

 

Também não servem para tratar a febre ou as dores musculares, de cabeça ou de garganta. Para tal, utilizam-se medicamentos chamados antipiréticos, como o paracetamol, o ácido acetilsalicílico ou o ibuprofeno, entre outros.

Diferenças entre bactérias e vírus

As bactérias e os vírus existem por toda a natureza. O nosso corpo tem normalmente tantas bactérias quanto células humanas. A maioria não faz mal ou provoca apenas doenças ligeiras. Algumas bactérias, por exemplo, contribuem para o fabrico do queijo ou dos iogurtes.

 

As bactérias são seres vivos microscópicos, constituídos por uma única célula, multiplicando-se rapidamente, a cada 20 minutos. Os antibióticos podem bloquear a capacidade das bactérias se multiplicarem.

 

Os vírus são seres vivos mais simples, só visíveis ao microscópio eletrónico. Para se multiplicarem, precisam de infetar outras células. Os antibióticos não têm capacidade de atuar sobre os vírus.

Quais os critérios seguidos pelos médicos para escolher o antibiótico?

Cada antibiótico é eficaz apenas contra determinadas bactérias. Ao escolher um antibiótico para tratar uma infeção, os médicos estimam qual é a bactéria que estará a causar a infeção. 

 

Por exemplo, algumas infeções são causadas somente por determinados tipos de bactérias. Às vezes, um antibiótico é previsivelmente eficaz contra todas as bactérias que têm mais probabilidade de causar uma infeção e, portanto, outros exames podem não ser necessários.

 

Se as infeções puderem ser causadas por muitos diferentes tipos de bactérias ou por bactérias que não sejam previsivelmente suscetíveis a antibióticos, o médico pede a um laboratório que identifique a bactéria que está a causar a infeção a partir de amostras de sangue, urina ou tecido da pessoa. 

 

As bactérias que causam a infeção são, então, testadas para conhecer a suscetibilidade a uma variedade de antibióticos. Os resultados desses testes demoram geralmente um ou dois dias e, assim, não ajudam na escolha inicial do antibiótico. Nesses casos, os médicos normalmente iniciam o tratamento com um antibiótico que seja eficaz contra as bactérias que muito provavelmente estão na origem da infeção. Após conhecidos os resultados, os médicos trocam o antibiótico, se necessário.

 

Os antibióticos que são eficazes em laboratório não o são necessariamente no organismo da pessoa infetada. A eficácia do tratamento depende de pessoa para pessoa, de outros medicamentos que esteja a tomar, outros problemas de saúde e a idade, e também dos seguintes fatores: 

 

  • Da forma o medicamento é absorvido na corrente sanguínea. Isto no caso de medicamentos tomados por via oral 
  • Da quantidade do medicamento que atinge os locais de infeção no organismo 
  • Da rapidez com que o organismo elimina o medicamento 



Ao selecionar um antibiótico, os médicos também consideram:

 

  • A natureza e a seriedade da infeção
  • O estado do sistema imunológico da pessoa (até que ponto ele pode ajudar o medicamento a combater a infeção)
  • Os eventuais efeitos colaterais do medicamento
  • A possibilidade de alergias ou outras reações sérias ao medicamento
  • O custo do medicamento
  • Os médicos também consideram a dificuldade que as pessoas poderão ter em tomar os antibióticos por todo o período prescrito e terminar o ciclo completo do tratamento. Por exemplo, as pessoas acham mais difícil concluir o tratamento se o medicamento tiver que ser tomado muitas vezes ou somente em momentos específicos, como antes, durante ou após as refeições

Algumas bactérias resistem aos antibióticos: porquê?

Quando tomamos um antibiótico, as bactérias existentes no nosso corpo que são sensíveis a esse antibiótico acabam por morrer.

 

Embora os médicos tentem usar antibióticos para infeções bacterianas específicas, às vezes começam com antibióticos sem esperar os exames que identificam a bactéria específica, fazendo com que a bactéria desenvolva resistência aos efeitos do antibiótico.

 

Os antibióticos estão agrupados em classes, dependendo da sua estrutura química, afetam o organismo de maneira diferente e podem ser eficazes contra bactérias diferentes.

 

Por outro lado, quando se multiplicam, algumas bactérias sofrem mutações que as tornam resistentes ao antibiótico. As bactérias filhas, que se vão multiplicando, também são resistentes, fazendo com que o antibiótico deixe de atuar.

 

Todos os antibióticos podem dar origem ao desenvolvimento de bactérias resistentes. Quanto mais um antibiótico for utilizado, maior será a probabilidade de vir a existir resistência à sua ação.

 

Os antibióticos não são apenas usados no tratamento de infeções nos humanos. Também são usados em animais, podendo assim estar presentes em quantidades pequenas nos produtos animais e vegetais.

 

Algumas bactérias são chamadas “multirresistentes” ou “superbactérias”, precisamente porque se tornaram resistentes a vários antibióticos. Estas “superbactérias” são de difícil tratamento e obrigam, geralmente, a internamento hospitalar. Para algumas delas, apenas existe um ou dois antibióticos eficazes. Noutros casos, atualmente ainda não existe tratamento.

 

As nossas bactérias podem modificar-se quando tomamos antibióticos para tratar infeções ou consumimos repetidamente alimentos contendo antibióticos.

 

Sempre que as nossas bactérias ganham uma resistência, torna-se necessário recorrer a um antibiótico mais forte para combater a próxima infeção. Tal, por sua vez, potencia uma nova resistência, dando início a um círculo vicioso.

 

Também podemos criar bactérias resistentes se contactarmos repetidamente com pessoas ou ambientes contaminados. 

 

Ao viajarmos para certas zonas do planeta podemos também ficar com bactérias resistentes, mesmo que não sejamos internados. Por fim, podemos contrair essas bactérias se tivermos um contacto muito frequente com animais vivos que delas sejam portadores.

Medidas que podem ajudar a reduzir as bactérias resistentes

Há uma série de fatores potenciadores das bactérias resistentes. Eis algumas medidas que podemos adotar para evitá-lo: 

  • Use antibióticos apenas quando indicado por um médico
  • Não tome antibióticos quando tiver febre, dor de cabeça ou garganta: a maioria das situações de febre é causada por vírus e passa ao fim de 3 a 4  dias. Em caso de dúvida, consulte o seu médico ou ligue para a Linha de Saúde 24: 808 24 24 24
  • Não use antibióticos que sobraram de tratamentos anteriores nem de outras pessoas
  • Pergunte sempre ao médico para que infeção está a usar o antibiótico
  • Cumpra cuidadosamente a duração do tratamento e o horário das tomas: se, por acaso, esquecer uma toma, recomece logo que possível e faça um acerto depois
  • Devolva todas as sobras de embalagens de antibióticos às farmácias. Nunca as deite fora
  • Cozinhe bem a carne e o peixe: evite deixá-los crus porque o calor inativa os resíduos de antibióticos que neles possam existir
  • Lave bem os vegetais para eliminar possíveis resíduos neles existentes
  • Lave bem as mãos antes das refeições, após a utilização da casa de banho, após contacto com superfícies de utilização pública ou após contacto com animais
  • Lave sempre as mãos após contactar com doentes, residentes ou com as superfícies com eles relacionadas, nomeadamente: hospitais, centros de saúde, unidades de diálise, centros de dia, lares e residências seniores. 
  • Garanta uma adequada higiene corporal e do vestuário, assim como adequados hábitos alimentares e estilos de vida saudáveis.

Fontes:

Partilha com os teus amigos

A olhar por gerações

Entregas ao domicílio

De segunda a sexta-feira em Faro

“Autorizado a disponibilizar medicamentos não sugeitos a receita médica através da internet pelo Infarmed, I.P.”

A olhar por gerações

“Autorizado a disponibilizar medicamentos não sugeitos a receita médica através da internet pelo Infarmed, I.P.”

Horário

Aberto 24h

365 dias

Entregas ao domicílio

De segunda a sexta-feira em Faro

Share this:

Like this:

Like Loading...
%d bloggers like this: